quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

4ª semana

A caminho do final da quarta semana, a adaptação está a ser calma, já me começo a habituar à minha nova casa, ao meu novo local de trabalho, à minha nova cidade, enfim, à minha nova vida. Isto de viver noutro país não é tão fácil, nem tão difícil como pensamos. Eu passo a explicar: Não é difícil no sentido em que estamos a viver num sítio diferente, uma nova cultura, diferentes pessoas, uma língua diferente, e tudo é novo para nós, o que pode ser um "deslumbramento". Ficamos um pouco tontinhos, parecemos uns palermitas a tentar assimilar tudo, e de uma vez só. O meu cérebro até fica congelado!! (mas é do frio) :)
Torna-se difícil porque queremos apreender tudo de uma vez e depois é o caraças!! Mas não é aí a parte pior, são as saudades (maldita palavra esta)... Pois é, tenho saudades dos meus pais (tantas), do meu "bicho" lindo, o Mooch! Tenho saudades dos meus amigos (e eles sabem quem são).
Já sou quase "oficialmente"norueguesa (ainda estou à espera do "D" number) tenho permissão de ficar no País até 2013!!! Ah pois é!!! "Mai nada!"
Já temos caixa para o "Post", pois minha gente, tivemos que comprar uma caixa para o correio (isto é outro mundo: mais pequeno, claro! Tudo de bom, tá?)
Pois é, isto é bem diferente do que imaginava. Falta muita coisa, ou não, dependendo do que/com/como se está habituado a viver. No Supermercado, os produtos são na maioria de marcas norueguesas, e o que há de fora é mais "Tapas" (Espanha) - isto é que eles são aficcionados por Espanha!!! Uma coisa!!! - e italianadas, como nós sabemos!

Bem, o texto já vai longo, em breve há mais!

3 comentários:

Olga disse...

Dudita, minha riqueza! Finalmente deixo um post no teu blogue, que bem merece pela assiduidade com que nos tem dado notícias tuas. Estou cheia de saudades, mas muito feliz por ti.
beijo grande para os dois

Olga

Hyde disse...

Norueguestita de gema Piccola... :)

aleksei disse...

Viver uns tempos longe de onde nascemos e crescemos dá-nos mais consciencia do planeta em que vivemos e de como o género "ser humano", independentemente da cultura e costumes de que foi impregnado,não se diferencia tanto assim. Todos diferentes, todos iguais...
E a liberdade expande-se dentro de nós ao alargamos horizontes.
Spread your wings baby!
Beijo recheiado de yin&yang